Semana 2/52 - 2018

15 de janeiro de 2018

Janeiro. Chuva. Maleitas. Foi assim que começou a semana.
Graças a Deus, que fui melhorando e cheguei a sexta já com outro ânimo. 
Ando a falhar nas leituras. Chego ao comboio e só me apetece encostar a cabeça à janela e fechar os olhos. Passar pelas brasas. 
Este é um mês que me custa. Estou na ressaca dos dias bons do mês de Dezembro, e os dias grandes de início de Primavera ainda me parecem tão distantes.
Entretanto, o marido completou 40 anos no domingo. Acho que é um marco bonito. Uma idade redondinha. Organizei um pequeno-almoço surpresa com a minha família, mas ele levantou-se cedo. O homem torna bastante difícil a tarefa de o surpreender. Mas foi bom. Panquecas, fruta, cheiro de torradas acabadas de fazer e as minhas pessoas. ♥
Ao almoço fomos a um restaurante onde nunca tínhamos estado, que balança em cima da Baía do Seixal
Adorei. Não é barato, mas a comida estava boa, as sobremesas são divinais e a vista é linda. Uma extravagânciazinha para datas especiais. 

De faca e alguidar

10 de janeiro de 2018

Liga-me e nem um - olá, mãe
Começa, à bruta, com um - O Gabriel... e a lista de acusações desenrola-se tipo papel higiénico. Alturas há em que tenho mesmo de afastar o auscultador para uma distância de segurança, sob pena de perder a minha audição de forma permanente e irreversível.
Ela acusa-o de ser mentiroso e estúpido.
Oiço-o lá ao fundo a dizer que ela está a mentir e é uma queixinhas.
Eu tenho uma carraspana em cima e os olhos com ranho da retina até à nuca, e estou com zero paciência para mediar conflitos que passam por um "ele sentou-se em cima de mim e só quer é brincar às lutas e não pára".
Tudo agora é regado a berros e lágrimas no mundo adolescente da minha filha.
Já ele, pinta a manta (pintam os dois) mas depois é a imagem da compostura e da maturidade quando se lhe pedem explicações. Aliás, desenvolveu o péssimo hábito de me abraçar quando me estou a aborrecer ou a dar um ralhete. 

Semana 1/52-2018

8 de janeiro de 2018

Sobrevivi à primeira semana de trabalho depois das férias.
Festejámos os 62 anos do meu pai. A chuva deu o ar da sua graça, arrumei o Natal e constipei-me.
Sou agora a (in)feliz detentora de um nariz a pingar e de uma garganta afanada.
A máquina de lavar loiça agora já trabalha, mas deixa-me a cozinha alagada. (inspira/expira)
Este fim-de-semana foi também um marco no desenvolvimento da minha miúda. 
A partir de agora já tenho com quem partilhar os meus Evax. É um misto de sentimentos. Uma sensação agridoce. Ali entre o - oh, tão crescida que está a minha filha! e o - oh! já? 
11 anos e 3 meses. Olá, maravilhoso mundo novo da puberdade e da adolescência!
Espero estar à altura do desafio... 

Semana 52/52

2 de janeiro de 2018

Queria hibernar até Março, mas diz que não pode ser.
Esta semana e meia de descanso foi (é sempre) um bálsamo. 
Pouco pus o nariz fora de casa, mas eu nesta altura do ano quero é fazer ninho, por isso não me custa nada a inércia do chá, das mantas, dos filmes, dos minutos e das horas que passam por nós devagarinho, dos almoços tardios, da liberdade que é sentir que o tempo não nos castra e não nos culpa.
Contudo, talvez não tenha sido propriamente brilhante da minha parte ter-me deitado ontem às 3h da matina para me levantar às 6h30.
Estou em piloto automático. Uma espécie de zombie ressacado. Ainda trouxe as férias coladas à alma e o sono a toldar-me o espírito.
Os miúdos ficaram a curtir os primos (e vice-versa) neste último dia de preguiça antes do regresso às aulas, e o meu ano começa sempre hoje, com o aniversário do meu pai. ♥ 
Portanto, 2018, estão abertas as hostilidades. Dá o teu melhor, que eu vou fazer o mesmo.



Semana 50/52

18 de dezembro de 2017

As aulas chegaram ao fim. (férias. não sei se exulte de alegria, se tenha medo. as criaturas andam ali na fronteira entre o adoravelmente crescidos/autónomos/amigos e o irritantemente implicativos/preguiçosos/surdos/desarrumados...)
Enfim, despedi-me da "minha" árvore de folhas amarelas, que está rapidamente a ficar despida e estou mais do que pronta para os meus dias caseiros. Pijama o dia inteiro, pantufa no pé, manta pelas pernas, velas acesas, chocolate quente, guloseimas, filmes e livros. 
Os miúdos já me fizeram prometer que faremos bolachas para decorar, por isso não me posso escapar (sim, que isto de fazer bolachas com crianças não é romântico como nos filmes, ou então sou eu que tenho problemas para resolver...entre sujidade, asneiras e teimosias às vezes aborreço-me mais do que me divirto, mas eles adoram, por isso devo fazer alguma coisa bem, espero honestamente não lhes estar a arruinar as memórias de infância com o meu mau feitio).
Também quero muito ir ver as luzes a Lisboa
No sábado à noite os miúdos foram distribuir alguns kits de primeira necessidade e algumas refeições aos sem abrigo. Tive pena de não ir, mas penso que foi positivo para eles verem de perto a realidade sem filtros, ver pessoas que vivem em condições muito complicadas. A Diana falou pouco sobre o assunto. Ela tende a evitar a todo o custo demorar-se em coisas que a ponham triste. O Gabriel diz que foi bom, que conversou com alguns deles e eu peço muito que eles sejam sempre solidários e que saibam sempre olhar para as necessidades dos outros. Também serve para colocarem a vida deles em perspetiva. Para valorizarem o que têm.
E esta também foi a semana de regressar a uma tradição tão boa, tão bonita, como é a de enviar postais de Natal.
Faço parte de um grupo de mães no facebook. Mães que se ajudam, que vendem/trocam entre si roupas e outros artigos em 2ª mão, que partilham experiências, que tiram dúvidas umas às outras, que se entristecem com quem está triste, que se alegram com quem está feliz, e ali derramamos muitas vezes as nossas ansiedades, frustrações e ideias. Falamos de tudo e de nada. Sem julgamentos e sem medo. Acho que sem este grupo os meus dias já não seriam a mesma coisa. Ainda que não conheça nem metade daquelas miúdas pessoalmente, tem sido uma viagem. Uma viagem bonita. E este ano uma delas teve a ideia de fazer e enviar postais de Natal a quem quisesse e assim começou a onda dos postais. Claro que nem todas temos talento para os trabalhos manuais e eu comprei postais para enviar. É bom escolher, selecionar, escrever, pôr no correio, esperar... Gosto particularmente da espera. Nem todas as esperas são felizes, é verdade. E hoje em dia não se espera para coisa nenhuma, estamos quase sempre todos acessíveis. Mas esperar é tão bom. Abrir a caixa do correio na expectativa de receber uma missiva especial. Esperar que quem vai receber dê sinal. Esperar faz valer a pena o tempo que se dedicou a alguma coisa. Esperar confere magia ao resultado final.
E agora estou à espera das férias. Faltam 3 dias. ♥
{almofadas feitas pela minha cunhada ♥ Arco-Íris-aos-Retalhos}

Semana 49/52

11 de dezembro de 2017

Mais uma semana com direito a feriado. E sabe tão bem "folgar" à sexta. 
Terminei "O Rouxinol" e comecei hoje "O Livreiro de Paris".
Recomendo muito o primeiro. Gostei tanto.
Entretanto reguei o fim-de-semana a chás e chocolate quente, fiz rabanadas pela primeira vez, vi o filme Hampstead ♥ e vi chegar a chuva e o vento desembestado, ontem à noite.
Última semana de aulas, pessoal! Miúdos lá de casa ansiosos por sopas e descanso.
Dezembro é sempre um mês tão doce e caseiro. E eu desfruto de cada minuto.

O Rouxinol

7 de dezembro de 2017

Estar a ler um livro para o qual já fiz o casting, para um hipotético filme que alguém, de certeza, vai querer realizar. (se dúvidas houvessem quanto à minha sanidade mental, dissiparam-se neste momento, eu sei, mas escusam de pedir um colete de forças, chama-se ter imaginação)

Vianne - Kate Winslet
Isabelle - Lilly James
Capitão Beck - Brad Pitt
Gaetan - Kit Harrigton
Anouk - Helena Bonham Carter
Rachel - Jessica Chastain

Se alguém de Hollywood estiver a ler o meu blog (ahahahahah!), escusam de agradecer. Poupei-vos imenso trabalho, eu sei...
Hoje, no comboio, a caminho do trabalho, quase não conseguia ler as palavras, de tão embaciados que estavam os olhos.
Que narrativa! Que história! E agora quem me convence a pegar no trabalho depois de toda esta reviravolta? Ainda bem que amanhã é feriado...
Proudly designed by | MLEKOSHI PLAYGROUND |